Por Diego Nascimento

Calma! Hoje você conseguirá com tranquilidade fazer sua pesquisa escolar ou profissional no buscador do Google. O fracasso ao qual me refiro é o Google Plus, a rede social dessa gigante do Vale do Silício que chegou a tirar o sono de Mark Zuckerberg (um dos pais do Facebook). Lançada em 2011, a pouco conhecida plataforma de interação está longe de liderar o ranking de acessos no mundo e seu futuro ainda é incerto. Mas o que eu, Diego Nascimento, pretendo ensinar por meio da tecnologia computacional? Continue lendo e entenderá.

O empreendedorismo está ligado a erros e acertos. O fato de um indivíduo ou uma corporação terem amplos recursos financeiros nem sempre traz o sucesso como resultado final. Será que Zuckerberg e seus amigos imaginavam que a rede social desenvolvida na faculdade poderia alçar voos tão altos? Arrisco a dizer que não, mas a estratégia do negócio é constantemente revisada para que os ajustes aconteçam sempre que necessário. Evidente que isso também ocorra no Google, no entanto, a compra do Orkut ainda na primeira década do século 21 mostrava que a empresa queria expandir seus negócios (e ainda quer).  Muita coisa boa e funcional veio: Gmail, Google Drive e tantos outros recursos que literalmente facilitaram a vida de muita gente. Mas onde entra o fracasso nisso tudo?

Twitter, Instagram, Facebook e companhia ainda serão líderes de mercado por um tempo razoável, embora as mudanças de comportamento da sociedade estejam dando muito trabalho para a equipe de desenvolvedores e de marketing. Quem já não percebeu a mudança de layout e funcionalidades ao atualizar os aplicativos? Isso é mais do que necessário para a sobrevivência, porém, a prudência e a determinação exigidas no mundo digital ou em qualquer outro negócio também são itens importantes para você, leitor desse artigo. Por que?

A qualificação é obrigatória para qualquer pessoa. Admiro quem investe tempo em leitura, cursos e diálogos sadios e que trazem conhecimento. Também aplaudo quem acredita nos sonhos e busca colocá-los em prática, mas entenda que você não pode “abraçar o mundo” querendo dominar todas as áreas ou correr riscos fora de contexto. Além dos reflexos físicos (cansaço) e emocionais, a perda financeira também pode vir no pacote. Repito: empreendedorismo envolve acertos e erros, mas cada passo precisa ser devidamente calculado. É por isso que incentivo a especialização, ou seja, o foco em determinado produto e serviço. Você conhece a Coca-Cola por produzir um reconhecido refrigerante ou pela linha de água mineral que ela oferece? Entende agora onde quero chegar?

Quanto ao Google: é mais do que certo que a empresa crescerá ainda mais, no entanto, os últimos 10 anos já mostraram que rede social não é a praia dela (pelos menos por enquanto). Às vezes é necessário parar, tomar um fôlego, reconhecer as falhas, reavaliar as estratégias e seguir em frente. Se o Google está suscetível a equívocos imagina você e eu?

Assuma suas limitações e mude a rota, se necessário. Ainda há tempo!

One Response

  1. Interessante o artigo. Concordo com a especialização como a altitude de sobrevivência atual. Multitarefas foi coisa do passado.

    Até mesmo, aplicando isso ao meu ministério, seria inteligente da minha parte focar no “ministério pastoral”. E dentro do Ministério procurar desenvolver uma visão específica, de acordo com meu dom, visando a edificação da IGREJA, o Corpo de Cristo. Somente Cristo tinha (e tem) a capacidade total de agir em todas as áreas. Afinal, Ele é o Doador de todos os dons, bem como o Capacitador de todos os dotados. Longe de queremos ser bons em tudo. Sejamos os melhores dentro de nossa área, onde contaremos com a ajuda do Doador e Capacitador: JESUS.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

By Diego Nascimento

Calm down! You’ll be able to do your school or professional search on Google’s search engine today. The failure to which I refer is Google Plus, the social network of this giant of Silicon Valley that gave Mark Zuckerberg (one of Facebook’s founders) sleepless nights.  Launched in 2011, the little-known interaction platform is far from leading the ranking of hits in the world and its future is still uncertain. But what do I, Diego Nascimento, intend to teach through computer technology? Keep reading and you will understand.

Entrepreneurship is linked to mistakes and successes. The fact that an individual or a corporation has ample financial resources does not always bring success as the end result. Could it be that Zuckerberg and his friends imagined that the social network developed in college could reach such highs? I venture to say no, but the business strategy is constantly revised so that adjustments happen whenever necessary. Obviously, this also happens in Google, however, the purchase of Orkut in the first decade of the 21st century showed that the company wanted to expand its business (and still wants to). A lot of good and functionality came about:  Gmail, Google Drive and so many other features that literally made life easier for many people. But where is the failure in all of this?

Twitter, Instagram, Facebook and the company will still be market leaders for a reasonable amount of time, although changes in society’s behavior are giving a lot of work to the developers and marketing team. Who has not noticed the change in layout and functionality when upgrading applications? This is more than necessary for survival, however, the prudence and determination demanded in the digital world or any other business are also important items for you, reader of this article. Why?

Qualification is mandatory for anyone. I admire those who invest time in reading, courses and sound discourses that bring knowledge. I also applaud those who believe in dreams and seek to put them into practice, but understand that you cannot “embrace the world” by wanting to dominate all areas or take risks out of context. In addition to the physical (tiredness) and emotional reflexes, the financial loss can also come in the package. I repeat: Entrepreneurship involves successes and mistakes, but each step needs to be properly calculated. That’s why I encourage specialization, that is, the focus on a particular product and service. Do you know Coca-Cola for producing a well-known soft drink or mineral water line? Do you understand now where I want to go?

As for Google: it is more than certain that the company will grow even more, however, the last 10 years have already shown that they are not the exclusive owners of the social network (at least for now). Sometimes it is necessary to stop, take a breath, recognize the flaws, reevaluate the strategies and move on. If Google is susceptible to misunderstanding, imagine you and me?

Take your limitations and change the route if necessary. There is still time!

Leave a Reply

Your email address will not be published.