:::: MENU ::::

Camelot, uma escola de liderança

Por Diego Nascimento

Relatos antigos narram a existência do Rei Artur, lendário monarca que revolucionou a gestão de um povo durante uma fase crítica e de invasão da Grã-Bretanha por saxões. Reconhecido por sua garra e simplicidade, Artur se reunia com seus cavaleiros (equipe) em uma mesa chamada de Távola Redonda, no interior do castelo de Camelot. Como o próprio nome já diz o mobiliário tinha um formato circular. O motivo é simples: fazer com que todos estivessem no mesmo nível para dialogar, analisar, opinar, celebrar e compartilhar desafios.

Liderar é uma oportunidade interessante. Por meio dela a razão e a emoção se fundem ou são separadas conforme o evento. Confesso que sou admirador das sagas do Rei Arthur e passei a analisar quais características fizeram do monarca um grande exemplo. Compartilharei minhas descobertas: 1) Propósito = objetividade e persistência eram ingredientes em todas as ações de Artur e seus cavaleiros. 2) Humildade = mesmo sendo detentor de um dos maiores tronos da Europa antiga, todas as decisões importantes para o reino eram analisadas em equipe (Távola Redonda). 3)Paixão = Artur amava sua terra e seu povo. Morreu em campo, lutando.

Você que lê esse artigo exerce algum tipo de liderança seja em seu trabalho, família, escola, universidade… Se em alguns anos decidissem escrever sua biografia, como a sua postura seria relatada? A veracidade sobre a vida e carreira do Rei Artur ainda é discutida entre arqueólogos, historiadores e jornalistas. Seja mito ou realidade, importa que esse líder deixou uma marca de admiração e respeito. Façamos o mesmo!

Quer compartilhar experiências? Esteja a vontade. Estou pronto para ouvir!


So, what do you think ?